Apresento-lhes o Mestre Jagunço

Como creio que nada acontece por acaso, eis que eu, no início desta semana, saindo de uma doação de sangue que fiz no Hospital da Ordem Terceira do Carmo, bem próximo à famosa Lapa, no Centro da Cidade do Rio de Janeiro, encontrei com esse rapaz que aparece ao meu lado na imagem. Num boteco, eu estava fazendo um lanche (complementando o que recebi no hospital…) e ele tomava um cafezinho. Puxou conversa e falamos inicialmente, dentre outras coisas, sobre a importância da educação como fator transformador para a nossa sociedade. A conversa animada foi se estendendo e então fiquei sabendo quais as atividades que aquele “até então” ilustre desconhecido desempenhava.

O camarada, que claramente tem ascendência indígena, chama-se José Romildo dos Santos. Ele é mestre em capoeira pela Associação Cultural Nagô e educador em danças afro e folclóricas. Além disso, o que chamou muito a atenção, tendo em vista meu sentimento sobre a importância da reciclagem para o futuro do planeta, é que ele transforma lixo em arte. Explico: Romildo, mais conhecido como Mestre Jagunço, faz instrumentos musicais utilizando material reciclável que pode ser encontrado fácil e abundantemente em qualquer lugar de descarte de inservíveis.

Alguns instrumentos de percussão feitos pelo Mestre Jagunço com recicláveis.

Mas não para por aí. Não bastassem as aulas de capoeira e danças, ele ainda promove oficinas e cursos sobre o que denomina “Musicalidade de Sustentabilidade”, para que os alunos conheçam os diferentes tipos de instrumentos musicais, percebam as diferenças entre os instrumentos de sopro, de corda e de percussão, e incentivem a reciclagem e a reutilização de materiais diversos. O próximo curso será no dia 14/09, sábado que vem, na Federação das Associações de Favelas do Rio de Janeiro (FAFERJ), sito à Praça da República nº 24 – Centro, e eu aproveito esta publicação para divulgar o evento.

O Mestre Jagunço tem uma página no Facebook, da qual já sou seguidor, onde seu trabalho pode ser visto e acompanhado. O projeto social que realiza é de grande relevância, pois mostra às crianças e jovens carentes o caminho da preservação ambiental, e, paralelamente, afasta-os das drogas e da criminalidade dando uma nova perspectiva para as suas vidas.

Foi um enorme prazer conhecer uma pessoa tão engajada, educada e consciente. Parabéns ao Romildo. Tenho certeza de que nos encontraremos em outras oportunidades.

Segue, abaixo, um vídeo do YouTube onde esse meu novo amigo fala sobre a reciclagem. Algumas palavras ditas por lá e que destaco aqui: “arte, preservar, contribuição, matérias primas, lixo, tambores, cavaquinho, conscientização, transformar, beleza, peças maravilhosas”.

Sobre Mauro Blanco

Sou carioca da gema, morador da Zona Oeste, tricolor, bacharel e mestre em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e servidor concursado da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro. Já atuei como Oficial Temporário no Exército Brasileiro, na Companhia Municipal de Limpeza Urbana (como Subgerente na Gerência de Vetores), na Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (como Coordenador de Controle de Vetores, Coordenador de Vigilância Ambiental em Saúde e Diretor do Centro de Vigilância e Fiscalização Sanitária em Zoonoses Paulo Dacorso Filho), e na Secretaria Especial de Promoção e Defesa dos Animais, instância pertencente à Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, como Subsecretário.
Esta entrada foi publicada em Educação, Natureza e marcada com a tag , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *