Ora, pombas!

Quando há um desequilíbrio no ambiente, quase sempre provocado por ação ou pela inércia dos homens, as consequências podem ser inconvenientes.

Estávamos recentemente, eu e meus filhos, numa pracinha da Zona Sul quando observamos cena curiosa, embora corriqueira em nossa cidade: uma senhora alimentando os pombos que habitavam o local. O bando era muito grande e, vez por outra, aves mais audazes chegavam a pousar nos ombros e até na cabeça da munícipe. Os gatos que lá existem, de tão bem nutridos pelos moradores do bairro, apenas olhavam refestelados para os pombos sem nenhuma hostilidade esboçar.

Claro que a cidadã – e outras tantas pessoas – fazem isso por amor aos animais, mas aqui se nota um problemão, pois se praticamente não há inimigos naturais para as aves que frequentam a praça e se elas recebem generosa oferta de alimentos, a tendência é que sua população cresça desenfreadamente. Em ambientes urbanos e condições propícias, observam-se de 4 a 5 gerações por ano.

Columba livia é uma espécie exótica, não originária do continente americano. Os primeiros relatos dessa ave, que veio da Europa acompanhando as tripulações dos navios, foram registrados em 1606. Na bibliografia há indícios de que as aves foram trazidas ao Brasil, no início do século XIX, pela família real portuguesa. Não tiveram dificuldade em procriar por aqui e hoje são consideradas pragas em diversas cidades.

Várias zoonoses podem ser transmitidas pelos pombos, mas a inalação das fezes secas deles, que são carreadas como poeira pelo ar, são capazes de provocar doenças graves, tais como a Criptococose, a Histoplasmose e a Clamidiose. Vale ressaltar que cada pombo produz cerca de 2,5 kg de fezes por ano!

Busto em bronze dos irmãos Bernardelli, na Praça do Lido – Copacabana, Rio de Janeiro/RJ.

Os pombos são protegidos pela Lei nº 9605/98, que os considera como animais domesticados. Qualquer ação de controle que provoque a morte, danos físicos, maus tratos e apreensão é passível de pena de reclusão inafiançável de até 5 anos. O controle de sua população é feito de várias maneiras. Segundo a médica veterinária Vânia de Fátima Plaza Nunes, em artigo publicado em 2003 sob o título “Pombos urbanos: o desafio de controle”, as ações possíveis são agrupadas em categorias, quais sejam:

De baixo impacto: inclinação da superfície de pouso; uso de estruturas que impeçam ou desestabilizem o pouso; emprego de espantalhos; emprego de refletores luminosos; emprego de aves de rapina; equipamentos sonoros de ultrassom; tiros de ar comprimido.

De baixo impacto e risco a outrem: sonorizadores diversos; fogos de artifício; gel irritante de contato; cercas eletrificadas; armadilhas para captura; uso de anticoncepcional (quimioesterelizante à base de hidrocloro).

Medidas proibidas: uso de arma de fogo; envenenamento; captura e soltura em área aleatória.

Medidas duráveis: vedação de espaços ou vãos; uso de abrigos controlados.

Medidas complementares: destinação de resíduos em geral; controle de fontes alternativas de fornecimento voluntário de alimento; controle de ectoparasitos; limpeza e desinfecção dos locais de abrigo; educação, orientação e esclarecimento da população.

Sobre Mauro Blanco

Sou carioca da gema, morador da Zona Oeste, tricolor, bacharel e mestre em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e servidor concursado da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro. Já atuei como Oficial Temporário no Exército Brasileiro, na Companhia Municipal de Limpeza Urbana (como Subgerente na Gerência de Vetores), na Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (como Coordenador de Controle de Vetores, Coordenador de Vigilância Ambiental em Saúde e Diretor do Centro de Vigilância e Fiscalização Sanitária em Zoonoses Paulo Dacorso Filho), e na Secretaria Especial de Promoção e Defesa dos Animais, instância pertencente à Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, como Subsecretário.
Esta entrada foi publicada em Saúde Pública e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Ora, pombas!

  1. Carol Vale disse:

    Muito boa a postagem!! Eu fiz uma palestra de educação continuada para os agentes comunitários e para equipe técnica e fiquei surpresa de como a maioria das pessoas nem imaginam como pode ser terrível alimentar e conviver com a super população dessas aves. As pessoas realmente não sabem sobre as doenças transmitidas por esses animais tão bonitinhos.

Deixe uma resposta para Carol Vale Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *